O QUE ANDO A PUBLICAR

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Os Maias

"Os Maias", João Botelho, 2014, 135 minutos
Que não vá ver “Os Maias” de João Botelho quem não tenha lido o romance de Eça de Queirós ou procure mero entretenimento. O filme mais visto nas salas de cinema portuguesas em 2014 está longe de ser um produto massificado de consumo fácil e rápido. É preciso ser-se capaz de compreender a essência do cinema para gostar-se desta adaptação cinematográfica. Um começo a preto e branco faz-nos recuar no tempo aos primórdios da sétima arte. Depois, a complexidade e a entoação teatral do texto só poderá ser apreciada pelo espectador mais sensível ao lirismo que caracteriza a obra de Eça de Queirós. Outra surpresa são os cenários. Feitos de enormes telões artisticamente pintados ilustram na perfeição cada local de passagem, numa alusão lírica, como se cada cena fosse um acto de ópera. A destacar, a beleza dos protagonistas. Graciano Dias é um Carlos da Maia capaz de encantar qualquer Maria Eduarda deste mundo e Maria Flor parece, toda ela, revestir-se de doçura com o seu sotaque brasileiro. O amor incestuoso entre os dois irmãos é uma cena da vida romântica que se consuma apesar da impossibilidade. Talvez a maior mensagem da obra “Os Maias” seja a revelação de um Portugal que pouco ou nada evoluiu em 125 anos. Para mim, narrativas como esta, onde histórias de amor desalinhadas marcam destinos, levantam-me a questão: que enredos haveria por desvelar, se todas as vidas seguissem o caminho das linhas rectas, das escolhas certas, da rejeição imediata das decisões mal calculadas? Palmas a João Botelho pela coragem da realização ambiciosa, sem recursos luxuosos. Parabéns a Pedro Inês, o actor cujo papel secundário acaba por parecer principal no seu brilhante desempenho como o fiel amigo João da Ega.

Sinopse, trailer, actores e muito mais, aqui: http://www.ardefilmes.org/osmaias/

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se gostou deste artigo, ou tem uma palavra a acrescentar, agradeço imenso que deixe o seu comentário.