O QUE ANDO A PUBLICAR

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Repousa em mim

De repente, pareceste-me tão pequeno. Era como se tivesses encolhido e voltado a ser criança. Ali, aninhado no meu colo, com o peso dos problemas suspenso no meu regaço, ressonavas baixinho, inspirando tranquilidade. Nunca tínhamos estado tão perto do amor. Eu podia tocá-lo ao de leve com a ponta dos dedos. Desenhava-lhe todas as formas, contornando-as. Queria fixá-lo para sempre na forma dos teus lábios, no desalinho das tuas sobrancelhas, na suavidade tenra das tuas orelhas adormecidas. De quando em vez, vergava a minha boca ao encontro da tua testa, fazendo um beijo tocar-lhe como uma pena. Respirava-te e suspirava, na certeza do fim iminente daquela paz tão confortável, tão difícil de manter. Dorme um sono grande, meu menino. Em mim, sem pressa e sem medo, poderás sempre repousar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se gostou deste artigo, ou tem uma palavra a acrescentar, agradeço imenso que deixe o seu comentário.