O QUE ANDO A PUBLICAR

terça-feira, 27 de maio de 2014

A insustentável busca do prazer

Andamos a viver em função do momento de alívio. Na vida, todos os pensamentos vão dar ao prazer. E sempre que ele acontece, o mundo pára. Há segundos que valem por anos, risos perpetuados nos ecos da memória. Nesses momentos, estar-se vivo revela-se um milagre ainda maior. Empreendemos dias e suores de esforço em prol de uns segundos de libertação. Deixar de pensar, apenas sentir. A felicidade é aquele instante de ilusionismo em que a percepção anula a preocupação. O tempo fica suspenso. Há um dedo invisível que bloqueia a progressão dos ponteiros do relógio. O sorriso rasga-se e o universo amplia-se. Nesse ápice, tudo volta a ser possível. Andamos carentes de viver. À falta de tempo para vivências, somos perseguidos pelas lembranças. Antes de adormecer, eu volto todos os dias ao último lugar onde fui feliz. Era noite e a minha almofada era o teu peito.   

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se gostou deste artigo, ou tem uma palavra a acrescentar, agradeço imenso que deixe o seu comentário.