O QUE ANDO A PUBLICAR

terça-feira, 19 de junho de 2018

Uma casa sem livros


Era uma casa sem livros.
Estava cheia de solidão.
Sobre as prateleiras não viviam vozes adormecidas à espera de uma carícia.
Havia pessoas que trocavam olhares vazios. As palavras resumiam-se a monossílabos, arrotos cerebrais espontâneos e inúteis. À noite, o burburinho que sempre emerge dos livros que nos espreitam vigilantes, não existia. No ar, apenas solidão e silêncio, ausência e vazio, o roncar inerte de corpos sem alma, espelhos da casa, desta casa sem livros, com portas e janelas blindadas, à prova de palavras ideias, como se estas armas fossem proibidas por lei.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se gostou deste artigo, ou tem uma palavra a acrescentar, agradeço imenso que deixe o seu comentário.